Beber Vinho Tinto Ajuda A Emagrecer

 emagrecer vinho tinto

Os apreciadores de vinho tinto têm agora mais uma boa razão para o seu consumo. Depois de um estudo com a duração de dez semanas, investigadores da Universidade do Oregon, nos E.U.A., descobriram que consumir vinho tinto com moderação pode ajudar a combater a obesidade e desordens metabólicas como gordura no fígado, melhorando a saúde de pessoas com excesso de peso.

A presença de ácido elágico nas uvas muscadine, usadas principalmente para produzir vinhos tintos secos, “reduziram dramaticamente o crescimentos de células gordas existentes” nos ratos usados no estudo, além de também diminuírem a formação de novas células gordas. O efeito pode ser obtido consumindo as uvas no seu estado natural ou transformadas em vinho.

A uva muscadine (rotundifolia do Vitis) é nativa do sul dos E.U.A. e bastante cultivada desde o século XV- Esta uva tem uma composição química diferente da maioria das uvas pretas porque é mais rica em anticianinas. Este químico, responsável pela cor da uva, é um antioxidante poderoso, que contém até mais 10 vezes antioxidantes que outros alimentos ricos em antioxidantes tais como as groselhas. Também já foi estudado o seu uso para o combate de cancro.

Neil Shay, um dos bioquímicos responsáveis pelo estudo, explicou que fígado humano e células gordas desenvolvidas no laboratório foram expostos ao extrato de quatro químicos naturais encontrados nas uvas muscadine. Um dos químicos, o ácido elágico, provou ser particularmente eficaz no combate à gordura. No entanto, o cientista alerta para o facto de estes químicos não serem um milagre para a perda de peso: “Não descobrimos que estes componentes melhoram o peso corporal. Mas se tivesse de desenvolver uma dieta para reduzir a gordura acumulada no fígado, incluiria estas uvas.”

Shay explicou que o objetivo desta investigação é guiar o público na escolha de alimentos que trazem benefícios de saúde específicos como aumentar as funções metabólicas.

emagrecer vinho tinto

O estudo foi publicado na edição do mês de janeiro do “Journal of Nutritional Biochemistry” (Jornal de Bioquímica Nutricional).

fonte: sapo.pt

MAIS DIETAS SAUDÁVEIS:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *